.

A quem interessar possa

quinta-feira, abril 28, 2005


Aí estão os artistas. O leo diz que quer fazer cinema, a Maria vcs já viram e o Teseo é fotógrafo. O Teseo disse que tem uma amiga que mora em São Paulo, parece que o que mais encanta os mexicanos em São Paulo é... creme de abacate, já que eles nunca viram o abacate como uma fruta pra fazer doce. Agora a gente já conhece uma maneira a mais de sacanear o paulista, é só falar que as únicas coisas boas de são paulo são pizza e creme de abacate. Posted by Hello


Ontem eu dei uma passada na casa da Maria (a pedido dela) pra ela fazer um retrato meu. Parece que ela vai pegar os melhores pra botar numa exposição. Ela também fica nos bares desenhando as pessoas, e depois vende os desenhos por 5$. A princípio eu pensei: "Po, quem é que vai pagar 5$ (dólares) por um retrato à lapis? " Mas vendo assim, até que fica legal, vou ver se ela gentilmente me deixa levar um pro Brasil.  Posted by Hello

quarta-feira, abril 27, 2005

Linguagem

Essa é só pra complementar o comentário do Rego sobre siglas idiotas. Me deparei com a seguinte: FCEEG (Féderation Canadienne des Étudiants et Étudiantes en Génie). O feminismo aqui não viu a hora de parar e você é obrigado a até na sigla incluir "os estudantes e as estudantes" pra não favorecer o sexo masculino. Eu não sabia que o plural em francês no gênero masculino não generalizava pros dois gêneros.

Outra peculiaridade aqui é a tradução excessiva de termos. Web Browser é fureteur, e-mail'é couriel, spam é pouriel ou poluriel, Kentucky Fried Chicken é Poulet Frit du Kentucky, e a província de Nova Scotia (Nova Escócia em LATIM) foi traduzida pra Nouvelle Écosse.

Essa mania até dá pra entender, visto que eles não querem ter a língua francesa engulida, mas eu tenho certeza de que enquanto a espécie humana continuar (dizer "o homem" seria discriminação, eu até concordo), o sexo feminino nunca vai ser engolido. A não ser que nós passemos a nos reproduzir por clonagem, mas a vida não teria tanta graça.

Curiosamente o Burger King não se chama "le Roi du Burgueur" e existe uma cadeia de malbouffe (junk food) chamada "La Belle Province" onde a comida é ruim, mas eles são honestos o suficiente pra botar fotos dos sanduíches como eles realmente são, não aquela parada maquiada como nas outras cadeias. O slogan poderia ser: "tão gostoso quanto na foto".

Faltam 9 dias.

sábado, abril 23, 2005

Couscous


Aqui está a última foto que eu tirei. Só pra tirar aquele texto chato do topo da pilha. Esses são eu, Malinke (pra quem eu vendi meu violão), Nadjia (eu acho que é isso, não lembro direito) e Amokrane. Estes são os Algerianos Berbères que eu conheci aqui, e me ensinaram que nem todo algeriano é Árabe. Foi sábado passado, acho, que fui à casa do Amok pra estudar Servomec, e depois jantei com ele e a mulher dele. Malinke é visinho e tb estuda na Polytéchnique. Tenho muita admirição por esse pessoal que largou tudo pra imigrar pra cá. Todos tinham seus diplomas na Algéria e estão tendo que estudar de novo aqui pra terem um diploma mais "famoso". Posted by Hello

domingo, abril 17, 2005

Racismo

De vez em quando eu leio o jb online pra saber o que anda acontecendo no meu longínquo país. Acho que está tudo às mil maravilhas, porque as notícias mais anunciadas são a visita do Lula a Gorée e o argentino racista (pleonasmo? ih, agora o racista fui eu...) que foi preso. Segundo o JB online, o terrível insulto proferido pelo jogador teria sido "Negro!". Fiquei revoltado de saber que chamar alguém de negro é racismo, já que "negro" é uma palavra sem nenhuma carga negativa (teoricamente...), se fosse "preto", ou outra que eu acho inapropriado escrever, até faria algum sentido.

Mais tarde a história mudou, o insulto teria sido "negrito de mierda" (totalmente diferente), mas muita gente ainda deve achar exagero prender o cara. Discordo quanto à inocencia da expressão "negrito de mierda". Se vc falar "taxista de merda" ou "viado de merda" ou "engenheiro eletricista da PUC-RIO de merda", certamente haverá uma reação coletiva do grupo associado à matéria fecal. Eu acho que o jornalista, este sim, deveria ser preso por defesa e apologia ao racismo, já que, desprezando o termo "mierda" da frase insinuou que o palavra "negro" já contém a "mierda" implícita. Isso sim é racismo!

A Sultan, colega de casa (quartos separados, que fique claro), me disse que leu uma matéria sobre o racismo no Brasil, que é um tipo diferente. O negro é visto como um contribuidor essencial da nossa cultura mas não tem o seu papel em outros setores. Na poly tem muito, mas muito mais negro do que média que eu vejo em Montréal pela rua, o exato oposto do que acontece no Rio. E a maioria dos negros daqui chegou há uma geração ou duas (do haiti ou ex-colônias francesas na África) enquanto os negros brasileiros têm suas famílias vivendo na miséria no Brasil há mais tempo que muito branco no topo da pirâmide.

O que eu acho é que o racismo é algo tão natural quanto o medo do desconhecido, o problema é quando esse medo vira raiva ou discriminação. E a solução pro racismo não é procurar novos nomes pras etnias. O que precisa ser combatido é o ódio e a discriminação. O dia em que a palavra "preto" for tão inofensiva quanto "branco" e ninguem achar que a cor da própria pele (ou da pele dos outros) é um insulto, parte do problema estará resolvido. E no brasil esta parte está muito mais próxima do fim que nos EUA, onde dificilmente um jogador poderia ser chamado pela mídia de "Grafite" sem se ofender ou processar ninguém. Mas os Estados Unidos, ou pelo menos o Canadá, estão muito mais perto de resolver o outro lado do problema, o abismo social. Eles têm uma classe média negra significativa, nós não. Este problema, muito pior, ainda está muito longe de ser resolvido no Brasil.

Resumindo, "negro" não é insulto, "merda" é. Racismo é confundir uma coisa com a outra. E quem vir racismo no que eu estou dizendo leia de novo e depois me pergunte, minha intenção não é ofender ninguém. Às vezes eu sou meio desastrado com as minhas palavras, mas pelo menos sou honesto.

sábado, abril 16, 2005


Antes Posted by Hello


Antes Posted by Hello


Essa é a professora Isabelle Tremblay, de servomecanismos, que trabalha na Agência Espacial Canadense e usou algumas imagens do filme apollo 13 como exemplo de sistemas comandados por relés (é assim que se diz relais em português, né?). Ela costumava usar as fotos dos arquivos da nasa, mas depois ela se deu conta de que as imagens do filme são perfeitamente fiéis e muito melhores que as originais. Posted by Hello


Esse é, mais uma vez, o prédio principal da UdeM, iluminado pelo por do sol, e artificialmente editada pelo Picasa (programa gratuito e muito prático). Eu achava que o prédio fosse voltado pro norte da ilha, mas a foto abaixo indica que tá mais pra oeste. Recentemente eu aprendi na aula de informação e telecom o efeito dos filtros de frequência nas fotos, ficou muito mais divertido brincar com as fotos depois disso. Posted by Hello


Pôr do sol visto do mirante da UdeM às 19h40 quinta feira. Já tá fazendo uns 10C nos dias de sol. Se vc for até onde parece que o sol está se pondo, deve-se estar no oeste do Québec, onde todo mundo fala francês e alguns falam inglês (muito ruim na maior parte dos casos). No meio do caminho, é o lado oeste da ilha de Montréal, de maioria anglófona (e a maioria destes não fala uma palavra de francês) e alguns francófonos. No pé do Mont-royal é o bairro de Côtes-des-neiges, de maioria francófona, mas com muito imigrante de tudo quanto é parte do mundo, então deve-se falar várias línguas. Toda a parte da ilha que fica ao leste de côtes de Neiges (portanto, a maior parte da ilha) é de maioria francófona.  Posted by Hello


Eu fico muito surpreso com os quebequences que compram corvettes - e laranja ainda por cima, ou vermelho desbotado, da cor do 432 e 157 - da década de 70 e depois dizem que não tem dinheiro pra comprar carros menos poluentes. Aqui um carro 1.4 é considerado um econômico, 1.0 não existe, a única maneira de poluir menos é comprar um híbrido. O que polui mais, um híbrido 2.0 ou um 1.0 a gasolina? O Brasil aderiu ao protocolo de Kioto? Posted by Hello


Toute la gang Posted by Hello


La seule manière de m'empecher de cligner dans une photo. Posted by Hello


La photo de la photo! Génial, eh? Posted by Hello


Tamara (sorrindo) e Leo com o Mariachi Edgard ao fundo. Posted by Hello


Marc (c'est ça son nom?) et Stéph avec le drapeau de france en haut. Posted by Hello


Alex (québecois) e um outro cara aí. Posted by Hello


Essa foi a festa (soirée cool, como ele chama)do sábado passado na casa do Ludo. Nessa foto ele, Maria e Tamara. Posted by Hello

quinta-feira, abril 14, 2005

FHC no QC

Hoje o FHC deu uma palestra na UdeM e eu só fiquei sabendo horas depois do fim. Tudo bem, eu tava em aula mesmo e não poderia ver, mas teria sido legal ver o patrono da turma de economia de 2002 ao vivo e falando em francês.

Na volta da poly vi uma senhora falando portugues e falei com ela. Ela ficou felissíssima de encontrar um carioca em Montréal. Era uma paulista estudante de Letras de meia idade que veio aqui fazer intercâmbio. Achei muito engraçado como alguns brasileiros se recusam a admitir que alguma coisa no Canadá seja melhor que no Brasil.

Hoje de manhã eu cheguei ao laboratório de Informação e Telecomunicações pra fazer um script de compactação de imagens com perdas. Fiz o código em casa ontem à noite, tudo quase pronto só faltando um detalhezinho. Ao menos era o que me parecia depois de ter passado uma hora procurando um bug no código e tendo resolvido pelas 11h, eu nem me dei ao trabalho de verificar se as outras funções do programa tavam certas. Chegando ao laboratório eu disse ao professor cheio de orgulho (idiota!) "hoje a gente vai bater recorde, em dez minutos tá terminado".

Hoje eu aprendi que a língua paga! Até que eu tinha razão, batemos mesmo um recorde, terminamos dez minutos depois do fim do tempo de aula e fomos os últimos a sair. Pra variar o bug era uma linhazinha minúscula que demorou horas pra eu, ludo e os professores detectarem. (claro que foi um(a) dos professores que detectou, aliás, ponto pras meninas desta vez)

O que dá mais raiva em programação é que muitas vezes a gente tem que corrigir o erro sem ter o prazer de descobri-lo.

Poly Tour


Esta é a sala do comitê da Engenharia Elétrica. Aqui se organiza eventos, visitas a industrias, atividades diversas, vendem cerveja refrigerante, chocolates e outras bobagens a um preço muito baixo. Eles também têm um banco de provas antigas de todas as matérias do currículo. Passei muito tempo aqui, foi onde eu tive maior contato com os alunos locais.
 Posted by Hello


Módulo do laboratório de Telecomunicações, estudamos modulação de sinais em amplitude e frequencia, análise espectral, enfim, o feijão com arroz das telecomunicações. Posted by Hello


Tem oito microondas no refeitório de baixo e mais alguns no sexto andar, pra quem traz comida de casa (grupo ao qual eu me incluí faz pouco tempo). Acho que na PUC a gente nunca vai ter isso. Tem algum lugar no Brasil onde se deixe micro-ondas solto assim de bobeira sem medo que roubem? Posted by Hello


Outra coisa que nunca vi ninguém fazer na puc: estudar no bandejão (fora do horário de almoço, lógico). Quem prestar atenção vai ver as luzes penduradas no teto e concluir que também rolam altas festas no local. Aliás, rola toda sexta-feira. Posted by Hello

terça-feira, abril 12, 2005

O Fim

To aqui acordado às 1h da manhã imprimindo o último relatório de servomecanismos pra entregar amanhã. Depois disso eu vou começar a estudar pras provas finais (bem, tem uns problemas pra entregar, mas aí já conta como estudo...). O ano já está no fim, domingo fez um solzão e já deu nos jornais que já começaram a fazer as batucadas no Parc Mont-Royal aos domingos, o que quer dizer que em breve vão recomeçar as batalhas dos nerds. Infelizmente eu vou me enfurnar estudando e arrumando os detalhes da viagem até dia 2 de maio. Dia 5 eu parto pros Países Baixos (Holland is for tourists:c).

To começando a me dar conta de que daqui a pouco eu estarei voltando pra vida real no Brasil e vou ter que arranjar uma maneira de não voltar a ser exatamente como eu era antes de vir pra cá. Também tenho algum medo de descobrir não ter mudado tanto assim.

Recentemente vi uns vídeos da PETA (que uma amiga minha me fez o favor de passar) e fiquei terrivelmente traumatizado pelo que eu vi. Agora eu me sinto culpado toda vez que como carne ou uso o meu casaco de pena de ganso (ou pato, pouco importa o animal). Até considerei virar vegetariano, mas não foi nada além da consideração. Então pra acabar com a culpa, mesmo não virando vegetariano eu coloco o link pra quem quer virar e está buscando motivação.

Escrito ao som de Cowboys Fringants, The Guess Who e Lighthouse.

terça-feira, abril 05, 2005


Sábado eu tentei juntar literalmente todo o mundo, aquele negócio de misturar os universos que quase nunca dá certo. Ludo deu a idéia de jogar uma sinuca, aí eu chamei os brasileiros e os mexicanos, e também levei a Sultan. O problema é que eu esqueci que mulher, em geral, não gosta de sinuca. Aí a gente acabou parando no Bobards, que é um bar que pensa que é boate, cheio de gente e com uma mesa de sinuca que só serve pra obrigar a gente a sair do lugar o tempo todo pra não levar aquela cu-tucada. A turma da UFSC logo viu que aquilo não ia render e não quis nem entrar. Não tinha muita razão pra levar câmera, pra variar eu saí de olhos fechados em quase todas as fotos. Reparem nas semelhanças entre o Leo e o Larry Laffer. Posted by Hello

segunda-feira, abril 04, 2005


Foto (pseudo) espontânea. Posted by Hello


Depois de muitas fotos piscadas eu finalmente descobri que o segredo é não olhar diretamente pro flash. Agora só tiro foto assim. Posted by Hello


Tamara (Mex), sorridente como de costume. Posted by Hello


Stéphanie, Sultan e Leo Posted by Hello