.

A quem interessar possa

quinta-feira, julho 30, 2009

Se é possível, tem alguém fazendo

Ou tentando fazer.
Todo cervejeiro sabe que o malte é a base da cerveja, se você repetir a palavra "malte" em voz alta 3 vezes, a idéia vem quase sozinha. Infelizmente o valente cervejeiro não se deu muito bem nessa, mas matou a minha curiosidade.

Marcadores:

segunda-feira, julho 20, 2009

O Prêmio Netflix

Uma vez eu tive uma idéia de usar grafos bipartidos para um algoritmo que não só indicaria filmes para quem estivesse escolhendo um para assistir, mas também previsse qual nota uma avaliação subjetiva do indivíduo daria ao filme. E isso sem precisar classificar o filme em categorias, colocar rótulos etc.

Claro que alguém já tinha pensado nisso antes, e existe até um concurso em andamento há um bom tempo para resolver este problema, mas foi bom saber que a minha idéia não era absurda (mesmo que isso signifique que não foi original). Infelizmente (ou felizmente, para o bem da ciência) os cachorros na disputa já eram grandes demais, léguas a frente do que eu já tinha pensado. Hoje vi um dos meus heróis falando deste concurso e seu impacto relativamente fraco na imprensa apesar da questão ser interessantíssima.

Estou fazendo minha parte para ver se o Google Trends levanta a essa bola.

Marcadores:

sábado, julho 18, 2009

Nova idéia para os Ecochatos

Acabei me deparando com uma verdade inconveniente ao ler o jornal hoje. Já que é impossível passar um dia na terra sem encontrar uma sugestão de como fazer para reduzir o seu carbon footprint, dou aqui minha sugestão aos naturebas:
Parem de ver filme nacional

Os filmes são quase todos bancados pela Petrobras, a refinaria banca o festival de cinema. Árvore podre só pode dar fruto podre, então...

Marcadores:

domingo, julho 05, 2009

De Consumidor a Fornecedor

Crianças, se alimentem bem e façam exercícios, ou vocês ficarão assim

Hoje tive meu primeiro contato com a brassagem artesanal. A brassagem é na verdade apenas uma das etapas na fabricação da cerveja, mas na falta de outro verbo para designar o processo como um todo, acho válido o seu uso no sentido amplo (equivalente ao brew em inglês), mas voltemos ao que interessa. É um processo demorado, trabalhoso e caro, mas não tão caro quanto comprar a mesma quantidade de cerveja em supermercados ou importadoras. O resultado final é uma incógnita que só será revelada daqui a uns 20 dias.

Fui apenas ajudar na primeira leva da recém nascida Heinrich-Böden Brouwerij (nome provisório), dos meus amigos Henrique e Bode.


Bode e Henrique preparando o veneno

O objetivo é uma cerveja de trigo nos moldes da nossa musa do Mosa: Hoegaarden.
OBS: Hogaarden fica longe pra caramba do rio Mosa (na medida em que dois pontos dentro da mesma Bélgica podem ser considerados distantes), mas eu não pude segurar o trocadilho (desolé, Gael).

Quando tiver mais tempo livre (e dinheiro) talvez participe mais ativamente disso, dessa vez fui apenas um coadjuvante. Existe um curso de um dia e uma associação carioca de produtores artesanais que (eu acho) hoje conta com menos de 100 membros.

Dois fogareiros e duas panelas gigantescas de alumínio grosso com torneira adaptada são parte do investimento inicial

Infelizmente não é muito bem visto fazer cerveja com milho ou mandioca, então é preciso fazer a alegria dos exportadores de trigo (e das aduanas)

A receita também leva um pouquinho de malte de cevada, mas onde é que se compra um pouquinho de malte Pielsen?

Uma boa parte dos ingredientes tem que ser importada ou comprada em grandes quantidades e alguns equipamentos não muito baratos são indispensáveis. O lúpulo, por exemplo, não tem jeito: tem que ser importado. Isso é de partir o coração, pagar uma fortuna por algo que tem aspecto de esterco de cavalo.

Se esta leva não der certo, na pior das hipóteses posso ensinar meus amigos a fazer carbonade flamande. Será que pode-se usar cerveja de trigo?

Vamos ver se esse sorriso continua aí depois de provar a cerveja...